Quem tem criança pequena sabe: dá trabalho pensar em todos os cuidados do dia a dia dos filhotes. E nem só do sono e da alimentação são feitos os cuidados: estar em dia com a higiene e saúde dos pequenos é essencial. Assim, algumas dúvidas no cuidado com os cabelos dos bebês e crianças são inevitáveis. por isso, conversamos com a Lina Cruz, proprietária do Chuca Chuca Cabeleireiro Infantil, que existe há mais de 30 anos (!) no Leblon para algumas dicas.

O primeiro corte

É muito importante que esta primeira experiência no salão seja agradável para o bebê e para a família. Isso ajudará a dar confiança à criança e evitar que a ida ao salão se torne uma pequena tortura! Escolher um salão especializado, que tenha bastante experiência com bebês e crianças é fundamental. Se além dos profissionais qualificados o ambiente for atrativo, com mais cara de espaço recreativos do que um salão ainda melhor!

Quanto à época “certa” de cortar os primeiros fios de cabelo da cria, Lina diz que isso vai depender de cada criança. Isso porque o corte pode até ajudar a modelar os cabelos, mas as características são definidas pela genética e não pelo corte. Lá no Chuca Chuca, Lina conta que o cliente mais novo teve seu primeiro corte com apenas 14 dias de vida!

Criança habitué de cabeleireiro

Assim como acontece com adultos, o corte fortalece os fios e faz com que cresçam mais saudáveis. Se a criança usa franja, em torno de 30 dias costuma ser o ideal para evitar que os cabelos caiam sobre os olhos. Mas se não for o caso, entre 2 e 3 meses costuma ser um bom intervalo para que os fios não comecem a crescer fracos e nem embaracem com mais facilidade.

Cabelinho de anjo

É muito comum mamães deixando os cabelos dos pequenos ficarem beeeem longos com medo de que os cachinhos se percam. A verdade é que se a raiz dos cabelos for lisa, cedo ou tarde eles sumirão, já que como mencionamos antes, é a genética quem determinará a forma dos cabelos. Lina explica que os profissionais do Chuca Chuca usam algumas técnicas que ajudam a prolongar a permanência dos cahcos, como, por exemplo, repicar as pontas, não cortando tudo de maneira uniforme, fazendo com que as mechas com fios novos se misturem ao restante dos cabelos.

Produto para cabelos de adultos servem para crianças?

O ideal, não só segundo a Lina, mas também por recomendação de pediatras e dermatologistas, é que seja respeitada a idade indicada no produto. Bebês e crianças têm maior tendência ao ressecamento da pele e a alergias, por isso, os produtos feitos para elas deve ser mais suave e com o menor número de aditivos químicos possível. Os xampus, por exemplo, não podem irritar o couro cabeludo nem os olhos das crianças, por isso, devem ter o pH variando entre 7,0 e 8,5. O de adultos têm pH em torno de 5,0.

Vale perguntar ao seu pediatra  o que ele recomenda, afinal ele é o profissional que melhor conhece a saúde dos seus filhos.

Já a escolha de produtos 2 em 1 é algo muito pessoal e vai da experiência de cada mãe e seu filhote quanto à adaptação aos produtos. Pode ser que uma criança tenha cabelos mais finos e tendendo à oleosidade e o uso de um creme ou condicionador não seja necessário. Já crianças com cabelos mais cheios, cacheados e grossos podem se beneficiar de um creme para pentear ou de um condicionador após xampu. É testar marcas e tipos de produtos, mas seguindo a orientação do pediatra.

As mudanças hormonais e os cabelos

Muitas mudanças ocorrem no corpo da galerinha que chega à puberdade. Antes mesmo dos sinais físicos mais óbvios, os cabelos já podem dar sinais do início dessa fase. Entre 10 e 11 anos para os meninos e em torno dos nove para meninas, é quando os cabelos tendem a maior oleosidade provocada pelos hormônios. Lina recomenda que nesse momento a atenção aos cabelos seja aumentada e pode ser necessário rever os produtos escolhidos para os cuidados com os fios.

E se a fase traz com ela mudanças na textura das madeixas, também influencia no comportamento, geralmente aumentando a vaidade e vontade de imitar adultos e ídolos. Mas é preciso ter cuidados com excessos e algumas “modas”. Lina explica, por exemplo, que a aplicação de gel deve ser feita afastada da cabeça 9nas pontas dos fios) para minimizar a oleosidade. Bonés e chapéus só devem ser usados com o cabelo seco para evitar caspa e até fungos no couro cabeludo. Se decidir usar secador, em especial para quem mora em cidades mais frias, opte pela potência mais fraca, com ar frio ou morno e mantendo uma distância mínima de 15 cm entre a boca do aparelho e o cabelo.

Chapinha e escovas devem ser evitadas. Além de estimular que as crianças gostem dos seus cabelos como são, Lina lembra que esses procedimentos deixam os cabelos mais quebradiços.

Cortar os cabelos é pura diversão

E, como já falamos, ir ao cabeleireiro pode ser um momento de diversão e distração. Associar a experiência de cortar os cabelos ou fazer um bonito penteado para um evento à momentos de lazer faz com que a criança tenha prazer em se cuidar. Escolha um salão que ofereça jogos, livros e brinquedos, espaço e que tenha profissionais pacientes, que entendam que cada criança tem um jeito e temperamento e respeite o tempo de cada uma.

Lina Ingo Cruz é proprietária do Chuca Chuca Cabeleireiro Infantil, no Leblon (RJ), que possui mais de 30 anos de experiência e tradição, atendendo hoje a 2ª geração de clientes!

 

 

Responder